Tributo a um Paciente

Mudança de endereço: pessoas, mudei o endereço do blog! A partir de agora será: https://registromedico.wordpress.com. Todo o conteúdo desse aqui está lá também! Em breve esse será desativado!


Quinta-feira de manhã, São Paulo. Ao chegar na Cidade Universitária e sentir aquele vento frio que só São Paulo tem, percebi que seria mais um dia difícil. Não seria difícil porque não tinha estudado na noite anterior para a prova de Propedêutica Clínica (ou Semiologia, para o resto do mundo), ou então porque estava cansado já que tivera 2 provas na semana. Difícil porque a Clínica está sendo difícil para mim.

Muita gente pensa que um aluno de medicina, para ser um bom médico, tem que estudar muito, ler muitos livros e saber de tudo um pouco das especialidades. Eu não acredito nisso. E a Clínica está me mostrando que penso certo. Ainda não escreveram um livro ensinando você a ser uma boa pessoa, a querer ajudar o outro ou ao menos ser simpático com o próximo. Mas, medicina não é isso, e para a sorte de mais de dois terços de estudantes, não são cobrados valores nas provas finais e de residência.

Quinta-feira de manhã, São Paulo. Entro no hospital, faço minha prova e enfim vou para onde estou aprendendo a me sentir bem: junto dos pacientes. No terceiro ano nós já devemos saber como nos portar com um paciente, então entro no quarto 517, me dirijo ao leito 16 e vou ver de perto a hepatomegalia cirrótica com pancreatite aguda. E o resto a mim não importa. Não importa se tem um velho senhor deitado naquele leito, com dores fortes, frio e solidão. Que diferença faz saber como é a vida dele, se essa doença o faz sofrer mais do que deveria e se ele precisa de alguma coisa?

Sempre saio das aulas de propedêutica pensando como é a prática médica na realidade. Tenho sorte de que por aqui as coisas não são do jeito que escrevi, graças a Deus. Aqui somos cobrados a tratar bem as pessoas e manter a dignidade dos pacientes, já que a maioria deles estão nos nossos hospitais porque não conseguiram resolver seus problemas em outros. Vem gente do país inteiro por aqui, cada um com sua história… e nós somos educados a respeitar a cultura dos outros e fazer o nosso máximo para tirar aquelas pessoas daquelas situações em que foram postas por incompetência de outros médicos de outros serviços.

Mas por que estou escrevendo essas coisas aqui? Estou escrevendo porque todo dia saio das enfermarias, UTI e ambulatórios preocupado. Será que eu vou deixar um paciente num estado pior do que quando ele vem até mim? Será que um dia eu não vou perceber a verdadeira preocupação daquele que procura serviço médico? Será que a faculdade vai me endurecer tanto, a ponto de não me identificar com o ser humano que vai estar na minha frente no consultório?

Tenho muitas dúvidas a respeito disso. Mas tenho uma certeza: minha vontade é que isso nunca aconteça.

Nessa semana que passou, a medicina esteve em alta na mídia. Primeiro por causa do nosso ex-vice-presidente, José Alencar, que morreu (e o título deste post tem a ver com ele), segundo porque foi noticiado várias mortes em hospitais do país inteiro causadas por falta de condições básicas de infra-estrutura e atendimento médico. Não consigo entender o porquê disso ainda acontecer no nosso país. É um absurdo enorme ainda existirem hospitais sem condiçoes mínimas de trabalho para os médicos, e um absurdo maior ainda existirem médicos incapazes de diagnosticarem doenças simples e tomarem a conduta correta para salvar a pessoa.

Enfim, recomendo a todos que leiam o tributo que o Dr. Raul Cutait, médico do José Alencar e professor da faculdade, escreveu para o seu mais ilustre paciente: http://www.amb.org.br/teste/index.php?acao=mostra_noticia&id=6906 (é o primeiro texto). Tomei a liberdade de usar o mesmo título para o meu post, uma vez que todos os pacientes merecem homenagens, já que eles que nos ensinam a medicina, e não somente os livros e tratados.

E assim como José Alencar foi um exemplo de superação e dignidade perante o tratamento médico, registro aqui meu desejo de que um dia todos os pacientes, que no nosso país são tratados sem o devido respeito, tenham a oportunidade de dizer o mesmo que o ex-vice-presidente: “Não tenho medo da morte, tenho medo da desonra”.

——–

Cada dia que passa estou descobrindo que meu blog é lido por pessoas que eu nunuca ia imaginar que leriam. Nessa semana descobri que uma professora da faculdade e que tem um papel muito importante mesmo na política do estado de São Paulo lê meu blog, e também a mãe de um calouro meu! Fiquei meio envergonhado a princípio, já que escrevo umas coisas aqui que não se deve dizer por ai para professores e pais ahahaha mas depois fiquei bem feliz, por saber que as coisas que escrevo aqui estão se propagando aos poucos.

E ai eu penso: tenho em mãos um mecanismo muito forte pra propagar minhas ideias e de alguma forma tentar mudar as coisas, mas ai lembro que tenho prova na semana que vem e começo a me queixar das coisas aqui. Enfim, esse sou, dividido entre a seriedade de estar me tornando um profissional e adulto, e a extroversão de um estudante que só quer passar de ano sem sofrer muito!

Mas de vez em quando tem bastante coisa séria aqui, e espero que isso também cause uma reflexão nas pessoas que lêem meu blog! (E espero que as coisas que falo brincando não me gerem processos judiciais AUHAHU)

Bom, semana que vem eu volto com mais novidades dessa vida l0k4 de estudante de medicina. E aproveito para fazer a propaganda de um novo blog que eu estou escrevendo, que é o Prontuário (quase) Médico! 🙂 É um blog de estudantes de medicina de vários lugares diferentes e de anos diferentes também! Tá com cara que vai ser bem legal! Então, dêem uma passado por lá! http://prontuariomedico.wordpress.com

E obrigado pelos comentários pessoal! 😀 Falo de verdade que me sinto muito feliz em ler que isso aqui serve de ajuda para vocês! Então vou continuar escrevendo por bastante tempo, e reclamando bastante e me queixando de tudo hahahaha

Até a próxima o/

Anúncios

23 comentários sobre “Tributo a um Paciente

  1. Adorei o post!
    Agora que estou na vida de vestibulando não tenho tempo de nada mesmo, mas ler seu blog sempre é algo que gosto de fazer nos momentos livres.
    Se alguém me dissesse há dois anos que eu ia chegar em casa todo dia 8 da noite e estudar mais 3 horas em casa tenho certeza que não acreditaria. Enfim, espero estar aí com você um dia, quem sabe ano que vem, quem sabe o próximo. Espero que seja na turma 100 hehe (:

    Abraços e boa sorte na faculdade!

  2. meu prof. que fala:
    -Vcs não reclamavam que queriam crescer? Ficar adulto e poder fazer tudo que quer?
    hahahaha
    a fase adulta é bem mais complicada do que uma mera criança pensa 😀
    Sinto saudades das tardes, comendo bolinho de chuva e assistindo Sessão da Tarde, qdo o dever de casa dava para fazer vendo TV 😀
    Em todo caso, os aprendizados compensa tudo =)
    Parabéns pelo post!
    Ah, eu assisti no JN a menina que morreu por falta de cuidados médicos,equipamentos no “hospital”, horrível =(
    nessas horas dá vontade de dar um soco nesses caras que emperram com o sistema de saúde no BR!!!

  3. Acho que Medicina deve ser escolhida por quem gosta genuinamente de pessoas. Da alteridade. De conversar, de estar com elas, de ouvi-las, de tentar entender um pouco de cada uma.

    Quanto a essas oportunidades, a Medicina é inigualável. Como não se comover diante da generosidade e da gratidão de um doente, dilatadas pelo sofrimento?

    Me sinto até um pouco egoísta em pensar assim, porque acho que recebo mais do que dou. Claro, estou no comecinho dessa vida médica, tive poucas experiências com pacientes e provavelmente vou mudar várias vezes de opinião.

    Mas tenho a impressão de que tentar manter esse interesse nas pessoas é uma boa estratégia para resistir ao poder dessensibilizador e coisificador que um cotidiano estressante pode ter sobre nosso olhar…

    • Também tenho esse pensamento Dan! E sempre parece que estou recebendo mais do que dando… quase nunca a gente ajuda diretamente alguém! 😦 Mas por enquanto né, daqui uns anos vamos ser internos e sair por ai salvando vidar! :DD

  4. Olá querido Colega de turma, Decó!

    Isso que você falou me preocupa muito, a formação que médico que vêem apenas números de leitos e orgãos ou doenças, e não seres humanos.

    Na quarta passada, eu briguei com um calouros que brincava com uma peça anatômica, falei para ele, “Tenha respeito, pois isso que você está brincando foi um ser humano e teve uma historia, foi o pai, a mãe ou o filho de alguém”. Não sei se você já pensou, mas a falta de respeito com o ser humano já começa no primeiro ano, na anatomia.

    Sei que você já conhece, mas usando o seu blog para espalhar ideias, quero apresentar um projeto que construir e é ligado muito a esse tema, o MAD Alegria ( http://www.madalegria.org.br ), foca na sensibilização dos futuros profissionais da saúde, como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e outros, por meio da arte do Clown, quem já viu o filme do Patch Adams sabe mais ou menos como é, para mais informações, acessem o site. =.]

    • Merchan…

      AHUHUAHU brincadeira!

      Aliás, tenho que postar sobre o madalegria aqui, pq mesmo eu não fazendo parte, eu acho o projeto sensacional! 🙂

      Valeu pelo comentário Andrey 😀

  5. Oiee
    faz tempo q leio seu blog …Adoro
    São pessoas como vc q fazem diferença, o desejo de ajudar q vc tem, não vai muda nunca ,a medicina não vai te corrompe …continue assim vc é 10… VC Vai ser um médico exemplar, nao tenha duvida disso.
    Uma prova disso é esse blog.
    Um Abraço
    =]

  6. Relaxa, sou novo, mas minha mãe é medica e ela já falou. Sabe quais são os médicos que fazem esse absurdos com os pacientes? Os boyzinhos que se formam na UNIESQUINA e nem se dão ao trabalho de tentar estudar, querem só farra.
    Você estuda na USP, vê os seus professores, acho que todos devem ser simpaticos, por isso são os melhores.

  7. Só uma curiosidade, é verdade que tem aula pra bom comportamento do médico, como andar e essas coisas que parecem inuteis, mas não são?

    • Bom, não temos aulas especificamente sobre isso.. mas é bastante comentado o comportamento do médico em um monte de matérias!
      Essa semana mesmo, tivemos uma aula muito boa com um cirurgião sobre comportamento e tal.. foi muito legal 🙂
      A gente aprende a se comportar bem com o decorrer do curso, através da experiência dos nossos professores!

  8. É de médicos como voce, com o seu pensamento que o mundo precisa!
    Com o coração puro que tu tem, e a vontade de ajudar, além da paixao pela medicina, duvido muito que a faculdade te endureça. Jamais permita isso viu?

    Sucesso pra ti Deco, tu vai ser um grande médico, pode ter certeza disso! Sou fãzona do teu blog, recomendo pra todo mundo, e pra mim, que sou uma vestibulanda de medicina frustrada e atual estudante de enfermagem, tu é uma verdadeira inspiração!
    beijos

    • Ahhh, obrigado! ;__; De verdade!

      Não fala isso 😦 enfermagem é uma profissão incrível, e que não deve ser rebaixada nunca! Mas se medicina é o seu real sonho, quem sabe você não será uma grande médica no futuro? 🙂

      Beijos

  9. Parabéns pelo post e também pela imparcialidade que é bastante rara devido ao corporativismo em todas as profissões.

  10. Olá, suponho que sou a mãe do calouro que você citou no post, pois falei com meu filho sobre isso e ele me disse que falou pra você. Esse post me emocionou. Demonstrou muita maturidade e preocupação com o ser humano. Como paciente posso lhe dizer que sempre quis que o médico me perguntasse como eu estava me sentindo, não apenas meus sintomas, mas meu estado emocional.
    Seu post me deixa mais próxima de meu filho que está tão longe…
    Um bom dia pra você e até o próximo post.

    • Sim! 😀
      Ele comentou comigo na semana passada, quando o encontrei na faculdade!
      Ahh, obrigado por ler meu blog!
      E bom, pode deixar que seu filho está num ótimo lugar 😀 e provavelmente vai passar pelas mesmas coisas que escrevi aqui, só que acho que ele não vai reclamar tanto quanto eu ahahaha

  11. fffffff semestre infernal…
    Não acaba nunca e nem vejo o padrinho =(

    Momento de revolta, vim floodar no seu blog 😀

  12. Que show seu blog 😀
    “Achei” devido ao prontuário.
    Infelizmente ainda sou vestibulando [na mesma condição da ‘frustrada’ logo acima. Não que o fato de cursar enfermagem seja frustrante, e sim pelas limitações do curso, que realmente me desanimam] porém, espero que a minha aprovação em med não demore :S

  13. Caraa, gostei pakas do post.
    tipo, tô pensando em fazer vestibular pra medicina, mas, tenho muitas dúvidas em relação ao curso, não gosto de ver muito sangue não, rsrs. Porém quero muito ajudar as pessoas, buscar cura para doenças.. E tbm espero NUNCA endurecer em meio as situações, isso é realmente preoculpante :S
    Está de parabéns o blog 😀

  14. oi,sou de belém-pa, e descobri seu blog por acaso, gosto muito de seus posts sempre passo por aqui pois pretendo tentar medicina e seus posts falam muito de como é a faculdade das aulas e muito interessante para os estudantes do ensino médio que pretendem fazer vestibular em medicina,e gostaria que voce escrevesse um post falando de como foi o seu ano de vestibular,de como voce via a medicina no cursinho e como você vê hoje.

    • Olá!
      Já escrevi alguns posts sobre isso! Tem a página Medicina, que fala como é a faculdade.. e tem um post só sobre o tempo de cursinho e tal! 🙂

      Abraços e obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s